Ir para Inicial
Quem sou
Dissertação (mestrado)
Tese (doutorado)
Jornalismo popular
Jornalismo e literatura
Jornalismo e história
Rádios comunitárias
Pesquisas
Cultura
Links interessantes
Dicas
Seu recado
Contato
 

 

 


     
 

"Alguma coisa está fora da ordem"
Resenha do livro A identidade cultural na pós modernidade de Stuart Hall

Stuart Hall é um dos maiores expoentes da corrente conhecida como Escola de Birmigham, ou "estudos culturais", conjunto de pensadores britânicos contemporâneos que, a partir de uma leitura do filósofo marxista Antonio Gramsci, fazem uma radiografia dos processos culturais contemporâneos, tendo como pano de fundo as mudanças societárias impostas pelo processo de globalização e a chamada cultura pós-moderna. Hall foi diretor do Centro de Estudos Culturais Contemporâneos da Universidade de Birmigham entre 1970 e 1979 e faz parte do corpo de fundadores deste importante instituto.

Este pequeno livro coloca os principais pontos do que os teóricos dos estudos culturais britânicos apontam como centrais para se pensar as relações sócio-culturais na era pós-moderna. O principal ponto de partida de Hall é a crise da noção de identidade e de sujeito constituída na modernidade - a idéia de um sujeito centrado, unificado e definido em termos de locus sócio-cultural se evanesce. Segundo Hall, "uma mudança estrutural está fragmentando e deslocando as identidades culturais de classe, sexualidade, etnia, raça e nacionalidade - se antes, estas identidades eram sólidas localizações nas quais os indivíduos se encaixavam socialmente, hoje elas se encontram com fronteiras menos definidas que provocam no indivíduo uma crise de identidade".

O sujeito do Iluminismo, segundo Hall, "estava baseado numa concepção de pessoa humana como um indivíduo totalmente centrado, unificado, dotado das capacidades de razão, consciência e ação" (p. 10). Esta certeza, típica do período iluminista, na verdade não passa de uma construção discursiva que se legitima pela emergência e centralidade da ação política nos Estados-Nação. Assim, as identidades se articulam a partir do pertencimento a nações que subordinam as demais possibilidades de construção de subjetividades.

O processo conhecido como globalização traz como novidade um enfraquecimento do espaço do Estado-Nação como locus privilegiado da construção destas identidades. E o que se percebe hoje, é um desvelamento das limitações que esta concepção centrada de identidade construída pelo Iluminismo não se sustenta sem a centralidade da instituição Nação. "As nações líderes da Europa são nações de sangue misto: a França é, ao mesmo tempo, céltica, ibérica e germânica; a Alemanha é germânica, céltica e eslava; a Itália é o país onde gauleses, etruscos, pelagianos e gregos para não mencionar outros, se intersectam numa mistura indecifrável..." (p. 64). Por esta razão, Hall define que os conceitos de identidade são, na verdade, construções discursivas que só se legitimam a partir do momento que os contextos culturais assim o permitem.

O atual contexto cultural da pós-modernidade aponta para conseqüências contraditórias, segundo Hall. Primeiro, percebe-se uma desintegração das identidades nacionais pela tendência da homogeinização cultural da globalização; segundo, há um reforço das identidades nacionais e outras locais e particularistas em virtude da resistência ao processo de globalização e, como síntese deste choque, uma terceira conseqüência: as identidades nacionais estão em declínio mas novas identidades - híbridas - estão tomando o seu lugar.

Com estas afirmações, Hall nos dá pistas interessantes e inovadoras para compreender o atual contexto cultural. Distanciando-se tanto daqueles que consideram a inevitabilidade de uma total homogeneização cultural imposta pela globalização e também dos que defendem uma resistência simplesmente retornando ao discurso da identidade nacional do Iluminismo, o autor aponta que este choque dialético possibilita a construção de novas sínteses e perspectivas culturais que demandam desafios teóricos mais complexos para a sua compreensão mais global.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 1999.

Dennis de Oliveira é Doutor em Ciências da Comunicação pela USP, coordenador do curso de graduação em Jornalismo da Universidade Metodista de Piracicaba (Unimep).